Estudantes de Campinas criam absorvente biodegradável com gel à base de amido e bucha vegetal


Produto leva ainda óleo de alecrim e ácido cítrico na formulação. Segundo o grupo, ao contrário dos produtos tradicionais com plástico, que podem durar até 100 anos na natureza, ‘BioAbs’ se decompõe em seis meses. Alexa, Aline, Clara e Flora no laboratório da ETEC, em Campinas (SP), onde desenvolveram o absorvente biodegradável
Erica Figueiredo
Quatro estudantes de Campinas (SP) desenvolveram um absorvente feminino 100% biodegradável feito com tecido de algodão e gel à base de amido de milho e bucha vegetal. Segundo o grupo, ao contrário dos produtos convencionais, que possuem 90% de plástico e aditivos químicos que levam até 100 anos para se decompor na natureza, o “BioAbs” se decompõe entre três e seis meses.
O projeto surgiu como Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de meio ambiente na Escola Técnica Estadual (Etec) Conselheiro Antônio Prado. De acordo com a professora Erica Gayego, que orientou o grupo, testes mostraram que os produtos naturais utilizados pelas alunas cumpriram a mesma função de absorção presente no absorvente convencional.
“A proposta era desenvolver algo em cima da resolução de um problema, e a ideia do absorvente partiu delas. Foi uma escolha interessante, uma vez que esse tipo de produto dificilmente a sociedade vai deixar de utilizar, apesar de algumas alternativas já existentes”, destaca Erica.
Segundo a estudante Alexa de Oliveira, no primeiro teste com gel à base de amido de milho a proteção do absorvente tinha ficado “muito fina”, e a solução foi adicionar a biomassa a partir da bucha vegetal – e o resultado agradou ao grupo.
Para aumentar a durabilidade e evitar odores, as estudantes também recorreram a componentes naturais, como o óleo de alecrim e ácido cítrico. De acordo com a professora, as substâncias possuem as mesmas ações bactericidas e fungicidas dos absorventes tradicionais.
Absorvente 100% biodegradável, feito com algodão e gel à base de amido de milho e bucha vegetal
Erica Figueiredo
Apesar de ter nascido em sala de aula, as alunas pretendem investir na ideia. O grupo formado por Alexa de Oliveira, Aline Enokawa, Clara Harumi e Flora de Andrade disse que busca a patente do projeto, e levantar recursos para desenvolver a parte estética e processos de produção que possam baratear o ‘BioAbs’ – o custo inicial foi de R$ 15,60 cada.
“Fizemos uma escolha por produtos naturais que tivessem um custo barato. Ou seja, na produção em grandes quantidades, o custo do absorvente cai. Além disso, agora queremos melhorar o produto, e desenvolver a parte estética dele”, conta Alexa, de 17 anos.
Pesquisa
Para saber a possibilidade de aceitação do produto, o grupo fez uma pesquisa com outras estudantes da Etec em que estudam. Foram ouvidas 153 alunas que utilizam absorventes e, 83% delas disseram que usariam uma versão biodegradável do produto.
Ainda segundo as estudantes, outros 17% das entrevistadas responderam que talvez usassem, e nenhuma aluna disse que não usaria de forma alguma.
De acordo com as estudantes, absorvente biodegradável se decompõe em até seis meses na natureza
Erica Figueiredo
Veja mais notícias da região no G1 Campinas
Fonte: SAUDE

Aqui você pode expressar sua opinião livremente.