Bachelet, da ONU, pede corredores humanitários na Síria, onde 900 mil civis fugiram por causa da guerra


Michelle Bachelet, alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, pediu ao governo da Síria uma forma para retirar civis que estão no meio do confronto entre o exército e insurgentes no país. Alta Comissária para os Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, participa de encontro em Genebra, na Suíça, em março de 2019
Denis Balibouse/ Reuters
A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, a chilena Michelle Bachelet, se declarou horrorizada com a violência na região noroeste da Síria e pediu a criação de corredores humanitários, anunciou a instituição nesta terça-feira (18).
Exército sírio consolida controle de região que era dominada por insurgentes
Bachelet pediu ao governo sírio e a seus aliados que autorizem uma via de escape para “facilitar a passagem de civis em total segurança”.
Desde dezembro, o exército do governo de Bashar al-Assad faz uma ofensiva para recuperar o controle do último grande reduto dos jihadistas e rebeldes, a região de Aleppo, no noroeste do país. A ONU denunciou, na segunda-feira (17), que essa campanha militar provocou a fuga de 900 mil pessoas, em sua maioria mulheres e crianças.
Mais de 900 mil pessoas fogem de Aleppo, na Síria, após Exército retomar a província
“Nenhum refúgio é seguro. E como a ofensiva do governo continua e as pessoas são forçadas a permanecer em zonas cada vez menores, temo que outras pessoas sejam assassinadas”, disse Bachelet.
“Como é possível alguém justificar tais ataques indiscriminados e desumanos?”, questionou Bachelet.
Procurado pela AFP, o porta-voz de Bachelet, Rupert Colville, explicou que os corredores humanitários devem permitir aos “civis que desejam” a possibilidade de abandonar as zonas de conflito.
Bachelet se declarou “alarmada com o fracasso da diplomacia” na crise síria e considerou que “deveria colocar à frente a proteção dos civis a qualquer vitória política ou militar”.
“Condeno nos termos mais enérgicos a persistente impunidade nas violações do direito internacional humanitário cometidas pelas diferentes partes em conflito”, destacou.
Iniciada em março de 2011 com a repressão de manifestações pacíficas, a guerra da Síria deixou mais de 380 mil mortos.
Ofensiva do exército sírio
O exército da Síria anunciou na segunda-feira (17) que tomou controle de dúzias de cidades na região de Aleppo, e que vai fazer uma campanha para acabar com grupos militantes “onde quer que eles estejam”.
Mapa mostra a localização de Aleppo, na Síria
G1
As forças do presidente Bashar al-Assad avançaram e forçaram os insurgente ao longo de uma rodovia que liga Aleppo a Damasco. Essa é a rota mais rápida entre as duas maiores cidades do país.
Fonte: MUNDO

Aqui você pode expressar sua opinião livremente.