Médica diz que equipe que buscou repatriados terá de ficar até o final da quarentena e se frustra: 'Mala estava pronta'


Profissional demonstrou insatisfação com decisão mesmo após exames descartarem contágio do coronavírus. Ao todo, 58 pessoas estão isoladas na Base Aérea de Anápolis. Ministério da Defesa ainda não se manifestou. Médica revela que equipe que buscou repatriados terá de ficar até o final da quarentena na Base Aérea de Anápolis
Sílvio Túlio/G1
Uma médica que participou do resgate dos repatriados na China por causa do coronavírus disse que a equipe técnica que atuou na missão terá de ficar na quarentena até o dia 27 de fevereiro, quando terminam os 18 dias estipulados de isolamento. A profissional, que prefere não se identificar, afirmou que tinha expectativa de poder ser liberada e se mostrou frustrada com a notícia.
“Vão segurar a gente até dia 27. Não tenho nem palavras para descrever o sentimento disso. A mala estava pronta para sair”, afirmou ao G1.
O G1 contatou o Ministério da Defesa por email tanto na terça (11), às 18h52, como nesta quarta (12), às 9h11, assim como enviou mensagens de texto solicitando um retorno, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.
A médica integra um grupo de 24 pessoas que participaram diretamente do resgate em Wuhan, epicentro do surto. Além dela, outros 13 médicos, oito tripulantes e dois jornalistas participaram da missão que trouxe ao Brasil 34 brasileiros e parentes chineses.
O pouso dos aviões na Base Aérea de Anápolis, onde é realizada a quarentena, ocorreu no domingo (9). Dois dias antes, o Ministério da Saúde havia informado que ainda estava avaliando se a equipe de apoio precisaria cumprir todo o período de isolamento, o que não se aplicava aos passageiros.
A expectativa da equipe aumentou na terça-feira após o Ministério da Saúde confirmar que exames feitos descartaram qualquer contaminação pelo novo coronavírus em todo o grupo.
Aviões com brasileiros repatriados da China chegou a Anápolis no domingo (9)
Sílvio Túlio/G1
Estrutura
Os repatriados estão no Hotel de Trânsito da Base Aérea, que foi adaptado para recebê-los. No local, eles têm acesso a uma série de benefícios, como internet liberada, videogame e brinquedoteca, bem como atendimento odontológico e apoio psicológico. Lá, eles fazem seis refeições por dia e tem seus sinais vitais monitorados três vezes ao dia.
O grupo não poupou elogios ao local. Eles fazem questão de postar nas redes sociais um pouco da rotina, seja detalhes dos quartos ou da alimentação que estão recebendo. Um deles, inclusive, afirmou que não estava acostumado a acordar ao som dos pássaros e estava “amando” aquilo.
Os repatriados
Os grupo dos 34 repatriados da China é composto da seguinte forma:
4 chineses casados com brasileiros;
7 crianças com idades entre 2 e 12 anos;
23 brasileiros adultos – casais e homens e mulheres solteiros (sendo três diplomatas).
Hotel da Base Aérea foi adaptado para receber repatriados
Sílvio Túlio/G1
Surto
Desde o início do surto, no início ano, a China registrou 1.017 mortes por coronavírus e 42.708 casos confirmados.
De acordo com o Ministério da Saúde, o país investiga 8 casos suspeitos de Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus. Segundo o governo, desde o início do monitoramento, 33 casos foram descartados.
Entre os pacientes acompanhados, três estão em São Paulo, dois no Rio de Janeiro, um no Paraná, um em Minas Gerais e outro no Rio Grande do Sul.
VE – Repatriação de brasileiros na China
Aparecido Gonçalves e Juliane Monteiro/G1
Initial plugin text
Fonte: SAUDE

Aqui você pode expressar sua opinião livremente.