Se ligue nos links (1º de fevereiro)


A bandeira do Reino Unido é dobrada e removida após ser baixada do lado de fora do Parlamento Europeu, em Bruxelas, na Bélgica, na noite do Brexit, em 31 de janeiro
AP Photo/Francisco Seco
1) O Washington Post explica o que muda no Reino Unido a partir de hoje com o Brexit. Na Brookings Institution, Amanda Sloat analisa os principais desafios que os britânicos serão obrigados a enfrentar. A Economist discute as consequências para a relação especial entre Reino Unido e Estados Unidos. No New York Times, Steven Erlanger mostra por que o divórcio representa uma perda para a União Europeia (UE). Na Foreign Policy (FP), Josh Glancy decifra o elitismo dos britânicos. No Guardian, Rafael Behr conta o que aprendeu sobre o Brexit ao sofrer um ataque cardíaco.
Mulher usa uma garrafa de água plástica com um recorte para cobrir o rosto em uma tentativa de se proteger da contaminação por coronavírus, em Hong Kong, nesta sexta-feira (31)
Anthony Wallace / AFP
2) O Centro para Políticas e Pesquisas em Doenças Infecciosas, da Universidade do Minnesota, traz o noticiário atualizado sobre a epidemia do novo coronavírus surgido na China, identificado como 2019-nCov. Uma página especial da Organização Mundial da Saúde apresenta um guia com informações para proteção pessoal e os relatórios atualizados a respeito da situação da epidemia em todo o mundo. A revista médica britânica The Lancet concentrou numa página os principais estudos que tem publicado sobre o assunto, entre eles a avaliação do maior número de casos da doença na cidade de Wuhan. Um estudo do londrino Imperial College estima quão contagioso é o novo vírus. Outro estudo, na Science China Life Sciences, descreve como as características da nova variante contribuem para o contágio.
3) Na FP, Annie Sparrow traça um perfil clínico do 2019-nCov. A Universidade Johns Hopkins mantém mapas e visualizações de todos os casos registrados no mundo todo, incluindo mortes e curas. O Laboratório de Modelagem de Sistemas Biológicos e Sócio-Técnicos, da Universidade Northwesterna, elenca os países sob maior risco.
4) A jornalista Laurie Garrett, conhecida pela cobertura da epidemia de Síndrome Respiratória Aguda (Sars) em 2003, dá dicas na FP sobre como se manter seguro. Na CNN, Garrett compara a epidemia atual à anterior. Também na FP, ela descreve como a integração chinesa na economia global contribui para disseminar o vírus com maior velocidade. Ainda na FP, Justin Ling desmente os boatos sobre a doença, que se espalham com velocidade ainda maior que o vírus. A Economist avalia o impacto econômico da pandemia. No SixthTone, Zhang Wanqing noticiava os primeiros casos logo no início do mês. No China Media Project, Da Shiji relata como o governo chinês tentou esconder a epidemia.
Benjamin Netanyahu e Donald Trump apresentam plano de paz para Israel e Palestina nesta terça-feira (28)
Brendan McDermid/Reuters
5) O plano de paz para o Oriente Médio apresentado pela Casa Branca é severamente criticano pelo Israel Policy Forum e por Robert Malley e Aaron David Miller no Politico. No site de propaganda russo RT, Scott Ritter argumenta que os palestinos não poderão recusar a oferta e que, por isso, ela funcionará. Na Time, Ian Bremmer afirma que o Oriente Médio será completamente transformado pelo plano.
6) Na New Yorker, Bernard Avishai critica o uso político das cerimônias em memória do Holocausto.
Imagem retirada de vídeo mostra senadores fazendo o juramento no início da sessão de julgamento do impeachment de Donald Trump no Senado na quarta-feira (29/1), em Washington
HO/US Senate TV/AFP
7) Na New York Review of Books (NYRB), Fintan O’Toole faz um relato irônico do processo de impeachment contra Donald Trump. Também na NYRB, o enxadrista Garry Kasparov argumenta que é preciso organizar uma frente popular global para combater autocratas como Trump ou o russo Vladimir Putin.
Cena do documentário ‘Democracia em Vertigem’
Divulgação
8) O Hastings Center discute o risco representado por documentários que não são fieis aos fatos. No Guardian, Jessa Crispin critica quem avalia a qualidade de filmes por critérios políticos.
9) A MIT Technology Review decifra as armas usadas pelos propagandistas para derrotar a ciência e ganhar influência.
Mona Lisa, de Leonardo, o quadro mais famoso do mundo
JEAN-PIERRE MULLER / AFP
10) Na Atlantic, Walter Isaacson explica a ciência por trás do sorriso da Mona Lisa, de Leonardo da Vinci.
11) Na New Yorker, Adam Gopnik resenha novos livros sobre o músico e compositor americano Cole Porter.
A colelção original de 176 emojis que entrou para catálogo do Museu de Arte Moderna (MoMA), de Nova York.
Divulgação/MoMA
12) A EmojiPedia apresenta os 117 novos emojis já aprovados para implementação nos dispositivos digitais em 2020.
Fonte: MUNDO

Aqui você pode expressar sua opinião livremente.